maqueta logo glovo letras brancas.png
  • Facebook
  • Instagram

Colectivo Glovo nasce em 2016 dirigido por Esther Latorre (Espanha) e Hugo Pereira (Portugal) criando um espaço de criação onde ambos, intérpretes e coreógrafos, desenvolvem em conjunto a sua faceta mais imaginativa.

Com sede na Galiza desde 2019, trabalham na criação tanto para teatros como para espaços não convencionais, visto que um dos seus principais objetivos como companhia é aumentar o alcance das dinâmicas do corpo.

Para Glovo, a sua paixão pela linguagem do movimento leva-o a perseguir a investigação de novas expressões cênicas partindo do próprio corpo sem limites estabelecidos.

Ademais, e paralela a esta faceta criativa, a companhia procura aportar ao tecido artístico presente na comunidade gerando espaços de colaboração com outras agrupações e artistas procurando a aproximação entre o maior número de criadores, intérpretes e mentes-corpo inquietas, não só na Galiza mas com uma projeção internacional notável, com especial atenção no interesse pela eliminação da barreira cultural invisível entre Galiza e norte de Portugal. 

Desde a sua fundação em 2016, Colectivo Glovo percorreu diferentes países como Espanha, Portugal, Itália ou México, entre outros. Com a sua primeira peça M A P A, recebeu diferentes menções em festivais como Corto In Danza (Itália), La Espiral Contemporânea (Santander), assim como o prêmio do público no Certâmen Coreográfico Internacional de Solos y Dúos Sólodos En Danza (Ourense) ou o Primeiro Prêmio no Certâmen Coreográfico Internacional de Burgos & Nueva York – Bailando con Piedras. 

Participou no circuito Red Acieloabierto 2020, Danza a Escena 2021 e desde 2018 colabora com a empresa de moda Adolfo Domínguez (Prêmio Nacional de Desenho de Moda 2019). Junto à marca, destaca a video criação Matéria Gris (2019) finalista no Milano Fashion Festival (Italia) e selecionada também para a VIdeo Showcase da 20th edição da Quinzena de Dança de Almada - International Dance Festival (Portugal), o Fashion Film Guimarães 2021 e a Mostra Internacional de dança - Imagens em Movimento (Brasil).

 

Em 2020 a companhia recebeu a ajuda à criação cênica por parte de AGADIC (Agência Galega das Industrias Culturais) para a que foi a sua primeira criação de longo formato EM·NA, estreada em março de 2021 e tendo percorrido já teatros de Espanha e Portugal.

 

Citamos ao crítico de artes Afonso Becerra que fala desta forma de EM·NA:

“EM·NA es una pieza de un virtuosismo dancístico delicado y a la vez poderoso. Intensidad contenida. Ascetismo electrizante. Como señalé, Esther y Hugo, tienen un unísono que es magia pura. Es como si la diferencia se espejase en la conjunción y el movimiento, de esta forma multiplicado y espejado, adquiriese una vibración que nos toca y nos atrapa”

Destaca a sua participação com a peça MARRAFA (estrato de EM·NA) como finalista no 35º Certame Coreográfico de Madrid, e tendo recebido prémios em Barcelona e Austria.

 

Em 2021 criaram duas novas peças: ALLEO e TABÚ.

 

ALLEO é uma proposta de curto formato para espaços não convencionais que junta a tradição galaico-portuguesa ao movimento em uma peça de marcado caracter nortenho. Paralelamente, desenvolvem a criação e produção da nova peça cénica de longo formato TABÚ, a qual recebeu a ajuda à coprodução com o Centro Coreográfico Galego.

Em 2021 começam a fazer parte da –XAMBRA-, uma associação cultural e multidisciplinar do norte de Portugal cuja intenção é a de promover o intercambio entre companhias e artistas galegos e cías residentes no norte de Portugal.

 

Em 2022 a companhia continua a projetar a sua tour cénica com datas em Italia, Espanha, México e Portugal, e está a preparar uma futura colaboração de vídeo criação com uma entidade portuguesa para 2022-2023.

Paralelamente a esta vertente criativa, o Colectivo Glovo dirige o programa de residências Atopémonos Bailando em Lugo e co-organiza o festival Cartografía en Movemento, também em Lugo.

Junto a 'Cara a unha escena plural', projeto que impulsa a circulação da dança e das artes vivas de carácter profissional no nosso território, colaborou partilhando a sua experiencia de retorno e aposta polo contexto galego com o título "Quen somos nós e que facemos aquí?"

Esther Latorre

Esther Latorre (Lugo, 1990)

Desde muito jovem, começa a sua formação e paixão pela dança e o movimento. Em 2003, submerge-se no mundo da dança clássica que, num futuro, levar-lhe-á explorar novos âmbitos das artes cénicas. Galega de nascimento completa a sua carreira especializando-se e gradua-se em dança contemporânea no Conservatório Profissional de dança de Lugo, formando parte da que seria a primeira promoção de profissionais da dança contemporânea da Galiza, ganhadora do Premio à Excelência como intérprete de dança contemporânea. É também diplomada em Magistério de Educação Física na mesma cidade.

Desde então, trabalhou com companhias como a Jove Companyia de Danza Gerard Collins (Valencia), Moudansa (Valencia), Companhia de Dança do Norte (Portugal), companha Maduixa Teatre (ganhadora com o Premio Max ao Melhor Espectáculo de Rua por “Mulïer”; Premio Moritz Millor Estrena de Carrer 2016; Premio Umore Azoka 2017 (País Vasco) e Premio Artes Escénicas Valencianas del IVC en 2018) ou nas coproduções do Centro Coreográfico Galego “E_Migrantas” e “Primeiro a Vida” com direção de Kirenia Martínez.

​Foi também merecedora do primeiro premio no Certame coreográfico Delmar (Valencia) com a peça “Aliquam” (coreografia e interpretação propiás), ganhadora do Premio a Melhor Intérprete de Dança Contemporânea no 11º concurso de dança Gerard Collins e foi aluna estagiaria na Anton Bruckner Privat universität für Musik, Tanz und Schauspiel de Linz, Austria. Também foi merecedora do estágio DanceWEB do Impulstanz de Viena, Austria no 35º Certâmen Coreográfico de Madrid.

Desde 2016 codirige Colectivo Glovo junto a Hugo Pereira e impar-te formações e workshops de dança e movimento a diferentes níveis, tendo sido mestra em países como Espanha, Italia, Portugal e México. Com a cía Colectivo Glovo, participou em diferentes circuitos nacionais como Danza a Escena ou a Red Acieloabierto.

Destaca a sua formação intensiva em andas, assim como diversas colaborações com a firma de roupa Adolfo Domínguez.

Hugo Pereira

Hugo Pereira (Porto, 1994)

Natural do Porto, começa a sua formação no Conservatório da JOBRA, onde posteriormente, se gradua em 2015. Recebe diversas formações em dança contemporânea com mestres como: Akram Khan Dance Company, Sagi Gross (GrossDanceCompany, Nederlands), Shirley Esseboom (Nederlands), Víctor Hugo Pontes (NomePropio, Portugal), Inês Negrão (Portugal), Bruno Alexandre (Portugal), Carmela García (Otradanza, Espanha), Julia Weh (Alemanha), Romulus Neagu (PORTUGAL), Daniel Abreu (Espanha), Diego Anido (Espanha)…

Integrou o elenco da Companhia de Dança do Norte na produção 2015-2016 “Barulhos Nossos”, e participou em diversos festivais nacionais e internacionais de criação.

É também titulado em Especialização em produção e gestão de artes cénicas pelo Instituto de Gestão Cultural e Artística da Universidade Europeia Miguel de Cervantes.

Atualmente está imerso na codireção do Colectivo Glovo no qual, junto a Esther Latorre, desenvolve a sua tarefa como criador e interprete formando parte de diversas redes nacionais e internacionais de dança e tendo sido premiado co Primeiro Premio do Certâmen Coreografico Internacional de Burgos & Nova Iorque ou o premio do público no Certâmen Ibero-americano Sólodos Endanza, entre outros. Destaca a sua colaboração junto a Adolfo Domínguez (Premio Nacional de Moda 2019).

Foi também merecedor do estágio Barcelona International Dance Exchange (BIDE) no 35º Certâmen Coreográfico de Madrid.​

Colaboração

Clara Ferrão - Performer

Sybila Gutiérrez - Performer

Fran Martínez - Performer

Paulina Funes - Desenho gráfico

Adolfo Domínguez - Vestiário

BABYKATZE - Espaço sonoro

Pedro Fresneda - Desenho de iluminação

Jaume Blai - Técnico on tour

Adrián González - Video

Dani Rodríguez - Video

Carlota Mosquera - Fotografia

Manu Lago · Galicia Danza Contemporánea - Acompanhamento na gestão

Marcia Vázquez - Desenho gráfico

Jandro Villa - Vestiário

​SóLODOS - Colaboração em projetos

Paula Quintas - Colaboração em projetos

Chus Varela - Fotografia

Agadic · Xacobeo 21 · Xunta de Galicia - Subvenções à criação

Centro Coreográfico Galego - Subvenções à criação

INAEM · Ministerio de Cultura · Gobierno de España - Subvenções à tour

Concello Lugo - Colaboração em projetos

Teatro Ensalle - Colaboração em projetos

Escuela Palimoco - Colaboração em projetos

Museo MIHL - Colaboração em projetos

Concello Allariz - Colaboração em projetos

A Casa Vella - Colaboração em projetos